×
Grupo no Whatsapp No Fap - seja mais feliz!

Nome do grupo para WhatsApp:

No Fap - seja mais feliz!

Categoria do link de grupo para WhatsApp:

Hentai

Infomações do grupo para WhatsApp:

Link de Grupo no WhatsApp postado em 25/03/2019;
61 visualizações;
Pontuação de 141pontos.

Descrição do grupo para WhatsApp:

Grupo voltado a que deseja vencer o vício da masturbação

Grupos para WhatsApp App Baixar

Grupos no WhatsApp relacionados:

?Hentaizão 2.0?

?Hentaizão 2.0?

grupo de hentai, lei as regras quando entrar

?-DeepWeb-?

?-DeepWeb-?

━━━━┉┉┉┅┅╍╍╍╍┅┅┉┉┉━━━━ Bem vindo ao Lil Loli? ━━━━┉┉ ┏┉┉┄┉┉┛✸┗┉┉┄┉┉┓­ Regras­ 1- Sem racismo ou qualquer tipo de preconceito. 2- Respeite os membros, não se ache maior ou melhor. 3- Sem gore 4- Sem racismo ou qualquer tipo de outro preconceito. 5- Sem correntes. 6- Peça permissão de um adm para fazer qualquer tipo de divulgação. 7- SEM FOTO DO PAU. 8- Proibido spam. De resto, liberado. ▭ ▬▬▬▬▬▬▬◣✩◢▬▬▬▬▬▬▬ ▭ ✎﹏﹏﹏ Ass: Admins〽?

ℓσℓi's rєвσrท ?

ℓσℓi's rєвσrท ?

GRUPO HENTAI NOVO LEIA AS REGRAS

Shota/Trap e futa is life

Shota/Trap e futa is life

Grupo destinado só ao hentai trap e futanari proibido a divulgação de outros grupos sujeito a banimento

Tαvєrηα dø Hєηŧαi ?

Tαvєrηα dø Hєηŧαi ?

As regras do grupo encontram-se na descrição do mesmo.

Grupo do programa❤?

Grupo do programa❤?

Grupo para novinhos gays que curtem se exibir

Últimas nóticias

Fontes: Logo do G1
Acidente de ônibus no Laos mata 13 turistas chineses
Veículo transportava mais de 40 chineses para a turística cidade de Luang Prabang quando caiu em um barranco. Dois passageiros estão desaparecidos. Ao menos 13 turistas chineses morreram e dezenas ficaram feridos na queda de um ônibus em um barranco no Laos, informou a polícia nesta terça-feira (20). O ônibus transportava mais de 40 chineses para a turística cidade de Luang Prabang quando caiu no barranco, na noite de segunda-feira (19). "Até o momento foram recuperados 13 corpos e há dois desaparecidos", informou o oficial Xaiyaphon Chitavong, acrescentando que ocorreu um problema nos freios do ônibus. Segundo a polícia, 31 pessoas estão recebendo tratamento médico. A imprensa estatal chinesa divulgou fotos de socorristas procurando vítimas com água até os joelhos. Os acidentes de trânsito são comuns no Laos, Tailândia, Camboja e Mianmar, países onde as normas de segurança geralmente são ignoradas.
Intenso tiroteio assusta moradores na Zona Norte do Rio
De acordo com a polícia, tiroteio é parte de uma guerra entre traficantes. Traficantes trocam tiros no Morro do Turano, no Rio Um intenso tiroteio ocorreu na madrugada desta terça-feira (20) no Morro do Turano, na Tijuca, Zona Norte do Rio. Vídeos em redes sociais mostraram o barulho dos tiros. Moradores da região relataram rajadas intensas e barulho de explosões. De acordo com o 6º Batalhão de Polícia Militar (BPM), o tiroteio é parte de uma guerra entre traficantes. Não há informações sobre mortos ou feridos.
Pará é líder em focos de incêndio registrados em agosto no Brasil
Mais de 6600 ocorrências foram registradas em 19 dias de agosto. Pará registra o maior número de queimadas do Brasil em agosto O Pará concentrou o maior número de focos de queimadas do Brasil no mês de agosto. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Mais de 6600 ocorrências foram registradas em 19 dias de agosto. Segundo o Inpe, de janeiro a gosto, o Pará só perde para o Mato Grosso em focos de incêndio. O caso mais recente no Pará ocorreu no Parque Nacional dos Campos Ferruginosos, entre Paraupebas e Canaã dos Carajás. No sudeste do Pará, bombeiros e guardas florestais tentam controlar as chamas no Parque. As chamas terias começado a se espalhar na sexta, em uma área de fazenda. De acordo com o corpo de bombeiros e o Instituto Chico Mendes, o fogo já está controlado na área.
Sessão na Alepa discute o futuro da produção florestal no estado
Empresariado e deputados discutiram os desafios do setor em sessão especial nesta segunda, 19. Sessão na Alepa debate o desenvolvimento sustentável do setor madeireiro Nesta segunda-feira (19), houve uma Sessão Especial na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) para debater as demandas do setor madeireiro do Pará, um dos mais fortes na economia do estado. A promoção do manejo florestal sustentável, a manutenção e ampliação dos investimentos para agregar valor aos produtos madeireiros, desenvolvimento social e econômico do Estado e ampliação de empregos no segmento foram alguns dos temas abordados. "Esta é uma oportunidade de ouvir as demandas do setor e possibilitar que os deputados sejam uma caixa de ressonância dessas demandas, em benefício do setor florestal madeireiro e do desenvolvimento sustentável", falou o deputado Raimundo Santos, na abertura da sessão. O diretor da AIMEX, Guilherme Carvalho, fez uma apresentação sobre o que é manejo florestal e como as indústrias madeireiras atuam dentro da legalidade. "O Pará tem hoje 1 milhão, 235 mil hectares de área de concessões florestais federais e estaduais, onde é feito o manejo florestal com um controle rigoroso por parte da Secretaria de Meio Ambiente, e tudo o que é explorado e produzido, as empresas que ganharam essas concessões pagam ao Estado de acordo com o que é produzido", garantiu. O Brasil possui hoje a 2ª maior área florestal do mundo, atrás apenas da Rússia. Aqui são 193 milhões de hectares. Segundo levantamento feito pela Federação das Indústrias do Pará (FIEPA), em 2017, o setor florestal foi responsável pela comercialização de 991,97 metros cúbicos no mercado internacional, gerando uma receita de 180 milhões de dólares na balança comercial. Apesar dos números parecerem altos, o Brasil é responsável por apenas 7% de participação no mercado internacional. O presidente da AIMEX, Roberto Pupo, destacou que hoje, "70% das exportações feitas pelo setor madeireiro paraense são de produtos finais, com agregação de valor. Não somos meros fornecedores de matéria prima", garante. O vice presidente da Fiepa, Sidney Rosa, destacou a dificuldade do setor atuar na legalidade por dificuldades criadas pelo próprio setor público. Ele lembrou que até 2003, o IBAMA aceitava fazer projetos de manejo florestal até em áreas de posse. Mas desde aquele ano, só aceitam projetos de manejo em áreas com título de propriedade. "Ora, isso em um estado onde não é feita titulação de terras, não há como regularizar e aprovar manejos – a melhor maneira de evitar desmatamentos irregulares. Não é à toa que o setor, que empregava 85 mil trabalhadores em 2003, hoje empregue apenas 9 mil pessoas", finaliza.
Lar Fabiano de Cristo há décadas transforma vidas no bairro do Guamá
Projeto atende crianças e jovens com ações de esporte e música. Lar Fabiano de Cristo oferece educação e apoio a crianças e jovens do Guamá O Lar Fabiano de Cristo há décadas atua no bairro do Guamá, periferia de Belém. Um dos projetos que irá receber apoio do Criança Esperança, o lar atende crianças e adolescentes gratuitamente. Nos primeiros anos de implantação a parceira com o Grupo Espírita foi muito intensa, permanecendo até hoje ampliada ao Movimento Espírita Paraense. A pequena sede inaugurada em 1971 foi aos poucos ampliada e até hoje permanece no mesmo endereço desenvolvendo a missão do Lar Fabiano de Cristo. Com o passar dos anos as condições de moradia melhoraram, e foram realizados diversos projetos na Casa com este foco, mas até hoje persiste uma situação de vulnerabilidade e violação de direitos destas famílias na região. Atualmente, há ações na área de esporte. Judocas, karatecas, enxadristas, capoeiristas, nadadores, lutadores greco-romanos, praticantes de mini-trampolim, de tae-kwon-do, ginastas... independente da idade, o Lar transforma, treina e compartilha com o mundo os novos campeões da vida. A música é outro destaque do projeto. Corais, orquestras, conjuntos musicais, bandas marciais, grupos de percussão, teclados, cordas (violões, violinos), sopros (saxofones, pistons) e flautas (doces e transversas) envolvem cada Unidade em sua vocação.
Líder do governo diz que vai propor a Bolsonaro veto parcial do projeto sobre abuso de autoridade
Deputado Major Vitor Hugo deu declaração após se reunir com juízes, procuradores e policiais. Porta-voz de Bolsonaro já disse que presidente vetará trechos do texto aprovado pelo Congresso. Líder do governo diz que vai propor veto a trechos do projeto do abuso de autoridade O líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), afirmou nesta segunda-feira (19) que vai propor ao presidente Jair Bolsonaro que vete cerca de 10 trechos do projeto sobre abuso de autoridade. Vitor Hugo deu a declaração após se reunir em Brasília com alguns juízes, procuradores e policiais. Segundo ele, um documento deve ser entregue a Bolsonaro entre terça (20) e quarta-feira (21) A proposta foi aprovada pelo Congresso na semana passada e define quais situações configuram o crime de abuso. O texto já está na Presidência e cabe a Bolsonaro sancionar, vetar parcialmente ou vetar a íntegra do texto. "Nós não proporemos o veto total, nós vamos selecionar algo próximo de dez artigos que tenham o impacto de maior profundidade na atuação do maior número de instituições ligadas à repressão à criminalidade", declarou Vitor Hugo. Segundo o porta-voz de Bolsonaro, Otávio Rêgo Barros, o presidente vetará trechos da proposta. Ele não disse quais. Se confirmados, os vetos terão de ser analisados por deputados e senadores. >> Saiba mais abaixo o que prevê o projeto aprovado pelo Congresso Mais cedo, nesta segunda-feira, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) afirmou defender o veto total ao projeto aprovado pelo Congresso. Filiada ao partido de Bolsonaro, a parlamentar argumentou que o texto pode colocar "em risco" a atuação de investigadores. "Já estamos falando em apresentar um novo projeto, queremos que ele seja discutido pela ampla maioria dos parlamentares e que a sociedade saiba que estamos de olho e queremos, sim, coibir o abuso de autoridade, isso é primordial, mas sem botar em risco as operações", declarou (veja no vídeo abaixo) – Vitor Hugo não quis comentar o posicionamento de Bia Kicis. Autoridades criticam projeto de lei de abuso de autoridade Críticas Também nesta segunda-feira (19), autoridades criticaram o projeto aprovado pelo Congresso Nacional. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, por exemplo, afirmou que para "bem desempenhar" as atribuições previstas, juízes e procuradores têm o "livre exercício" garantido na Constituição. "Instituições tíbias cujos membros estejam permanentemente ameaçados por uma normatividade excessiva ou vaga cumprem seu papel de modo hesitante no tocante a enfrentar poderosos, a coibir corrupção e o crime organizado", declarou. Além disso, o juiz Luiz Antonio Bonat, responsável pelos processos da Lava Jato no Paraná afirmou: "De uma maneira geral, ela [a lei] vem causar, sim, uma preocupação de que possa ser um óbice a uma investigação, não só à Lava Jato, mas qualquer espécie de investigação criminal". Pedidos de veto Segundo Vitor Hugo, as categorias apresentaram como principais pedidos de veto: o trecho que prevê punição a quem submeter o preso ao uso de algemas quando estiver claro que não há resistência à prisão, ameaça de fuga ou risco à integridade física (pena de seis meses a dois anos de detenção); o trecho prevê pena de um a quatro anos de detenção a quem decretar a condução coercitiva de testemunha ou investigado de forma manifestamente descabida ou sem prévia intimação de comparecimento ao juízo. Vitor Hugo disse ainda que as categorias são contrárias a trechos relacionados às prerrogativas dos advogados. O que diz a proposta Conforme o projeto aprovado pelo Congresso, passarão a configurar o crime de abuso de autoridade cerca de 30 situações, entre as quais: Obter prova em procedimento de investigação por meio ilícito (pena de um a quatro anos de detenção); Pedir a instauração de investigação contra pessoa mesmo sem indícios de prática de crime (pena de seis meses a dois anos de detenção); Divulgar gravação sem relação com as provas que a investigação pretende produzir, expondo a intimidade dos investigados (pena de um a quatro anos de detenção); Estender a investigação de forma injustificada (pena de seis meses a dois anos de detenção); Negar acesso ao investigado ou a seu advogado a inquérito ou outros procedimentos de investigação penal (pena de seis meses a dois anos); Decretar medida de privação da liberdade de forma expressamente contrária às situações previstas em lei (pena de um a quatro anos de detenção); Submeter preso ao uso de algemas quando estiver claro que não há resistência à prisão, ameaça de fuga ou risco à integridade física do preso (pena de seis meses a dois anos de detenção).
Sem iluminação elétrica, moradores se arriscam ao fazer 'gatos' no setor Taquari
Ligações são feitas de forma clandestina e oferece risco na região. Energisa informou que serviço será normalizado no local até o dia 30 de setembro. Moradores da T-24 cobram instalação de iluminação pública Moradores da quadra T-24, no setor Taquari, região sul de Palmas, se arriscam ao fazer 'gatos' de energia para poder ter iluminação dentro e fora das casas. É que a quadra não tem energia regularizada. Apesar de vários postes estarem no local, eles não foram instalados e para não ficar no escuro as famílias fazem instalações clandestinas. (Veja o vídeo) Os moradores contam que as gambiarras são feitas porque os órgãos e empresas responsáveis não providenciam o serviço. "Nós precisamos imediatamente de luz aqui nesse setor", disse a dona de casa Rosirene Gonçalves. Mesmos com os riscos de choques elétricos, para não ficarem no escuro, os moradores fazem as ligações improvisadas. "Nós usamos gambiarra. Os vizinhos ajudam como podem e estamos aqui vivendo na gambiarra", disse um pedreiro. Segundo os moradores, os postes já estão no local há cinco meses. Alguns estão no chão e os que foram levantados não têm fiação elétrica. "Eles assim dessa forma não tem serventia nenhuma. A serventia seria eles implantados na rua e a energia instalada. Seria benefício para todos nós", disse o servidor público Henrique Alves. De acordo com a população, a situação não é resolvida e até os buracos feitos para instalar os postes foram tampados pela companhia responsável pela energia. "Jogam para um , jogam para outro e a gente fica nessa situação aqui", reclamou o eletricista André Luiz. O outro lado A Enegisa, companhia responsável pela distribuição de energia elétrica no Tocantins, informou que a quadra T-24 já passou pelo mapeamento de segurança e o serviço deve começar a funcionar no dia 30 de setembro. O coordenador de construção e manutenção da Energisa, Bruno Queiroz, informou que o problema não é responsabilidade da empresa, mas mesmo assim está com projeto pronto e os materiais começaram a ser levados para a região. Segundo o coordenador, a Prefeitura já foi notificada quatro vezes, para que faça o alinhamento de guia, o que vai garantir que os postes sejam instalados nos locais corretos. "Mesmo se a Prefeitura não nos der o alinhamento, vamos regularizar. Vamos fazer a implantação da rede no local, principalmente por uma questão de segurança, que para nós é uma questão de valor", disse Bruno Queiroz. Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.
Bolsonaro assina MP que transfere Coaf da Economia para Banco Central
Novo Coaf vai se chamar Unidade de Inteligência Financeira. O presidente da unidade passará a ser indicado pelo presidente do Banco Central. MP que transfere Coaf para BC recebe últimos ajustes jurídicos O presidente Jair Bolsonaro assinou a medida provisória que transfere o Conselho de Controle de Atividades Financeiras da Economia para o Banco Central. O novo Coaf vai se chamar Unidade de Inteligência Financeira. Continuará sendo um órgão estratégico de combate à lavagem de dinheiro e ao crime organizado, e o comande da unidade passará a ser indicado pelo presidente do Banco Central. Já está definido que o atual presidente do Coaf, Roberto Leonel, deixará o cargo. Leonel é auditor da Receita há mais de 30 anos, foi chefe de Inteligência em Curitiba e integrou a Operação Lava Jato. Ele foi indicado pelo ministro Sergio Moro, quando o Coaf ainda fazia parte do Ministério da Justiça, nos primeiros meses do governo. Leonel causou a insatisfação ao presidente Jair Bolsonaro quando criticou publicamente a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli de suspender o uso, em investigações, de dados detalhados fornecidos por órgãos de controle, como o Coaf, a Receita Federal e o Banco Central, sem a autorização da Justiça. A decisão liminar dada por Toffoli atendeu a um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro, do PSL, filho do presidente Jair Bolsonaro. O plenário do Supremo ainda vai analisar a liminar. Um relatório do Coaf apontou movimentações atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio. A defesa argumentou que dados dessas movimentações foram repassados ao Ministério Público sem a autorização judicial. Assim que a medida provisória passar a valer, haverá uma transição que deverá ser comandada por Ricardo Liáo, atual diretor de Supervisão do Coaf, experiente no combate ao crime organizado e lavagem de dinheiro. O governo afirma que a nova Unidade de Inteligência Financeira está de acordo com o Grupo de Ação Financeira (Gafi), considerado referência internacional no combate a esses crimes e ao financiamento ao terrorismo. Nesta segunda-feira (19), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que a transferência do Coaf para o Banco Central é uma decisão “bastante acertada por parte do governo”. A Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais é contra a mudança. Na semana passada, mandou um documento ao presidente Jair Bolsonaro e aos ministros da Justiça e da Economia no qual afirma que: “É necessário levar em conta a complexidade das organizações criminosas no Brasil, em especial no que tange à corrupção e à lavagem de dinheiro”. Por isso, de acordo com a nota, “é preciso que o estado proporcione ao Coaf a necessária estrutura para esse enfrentamento”.
Adolescente é apreendido depois de ser pego cortando e pesando maconha, em Guarapuava
Caso foi na noite de domingo (18), no bairro Vila Bela, após a polícia receber denúncias anônimas. Adolescente é apreendido com 7 quilos de maconha em Guarapuava Um adolescente foi apreendido em Guarapuava, na região central do Paraná, suspeito de tráfico de drogas, de acordo com a Polícia Militar. O caso foi na noite de domingo (18), no bairro Vila Vela. Segundo a PM, os policiais encontraram o rapaz, de 17 anos, cortando e pesando maconha em casa após denúncias anônimas. No quarto dele, conforme a polícia, foram encontrados 7 quilos da droga, oito gramas de crack e duas balanças de precisão. O adolescente e as drogas foram levados para a delegacia. Veja mais notícias da região no G1 Campos Gerais e Sul.
Categorias

Amizades e Bate-papo

Grupos para WhatsApp de Amizades e Bate-papo

Zueira e Diversão

Grupos para WhatsApp de Zueira e Diversão

Fã clubes e Famosos

Grupos para WhatsApp de Fã clubes e Famosos

Vagas de empregos

Grupos para WhatsApp de Vagas de empregos

Carros e Motos

Grupos para WhatsApp de Carros e Motos

Todo o Brasil

Grupos para WhatsApp de Todo o Brasil

Animes

Grupos para WhatsApp de Animes

LGBT+

Grupos para WhatsApp de LGBT+

Outros

Grupos para WhatsApp de Outros

Religioso

Grupos para WhatsApp de Religioso

Tecnologia

Grupos para WhatsApp de Tecnologia